pIOM

pIOM, tecnologia para neuromonitorização pélvica pode diminuir as complicações pós-operatórias

Recentemente a Inomed vem atuando no desenvolvimento da tecnologia para pIOM para neuromonitorização pélvica. Esta nova tecnologia pode ajudar a minimizar o risco de lesão no nervo durante intervenções cirúrgicas na pelve menor, o que pode reduzir a incidência de complicações pós-operatórias. Avaliação em tempo real dos nervos podem ajudar a manter a qualidade de vida de muitos pacientes. A tecnologia pIOM para neuromonitorização pélvica foi aperfeiçoada após dez anos de pesquisa clínica com a Universidade de Medicina de Mainz (Alemanha) e já é aplicada em muitas clínicas de hoje.

pIOM – a tecnologia para neuromonitorização pélvica ajuda a manter a qualidade de vida

Na área da pelve menor a estrutura do sistema nervoso autônomo é muito complexa e pode ser difícil de avaliar visualmente. A neuromonitorização pélvica pode ser usada para várias intervenções cirúrgicas na pelve menor e é principalmente utilizada até agora para a ressecção do câncer retal, que é uma das formas mais frequentes de câncer em todo o mundo. Aqui o procedimento de escolha é a ecisão total do mesorreto anterior profundo (TME). Durante a ressecção de carcinoma retal, a neuromonitorização pélvica pode reduzir significativamente o número de complicações pós-operatórias tais como incontinência ou disfunção sexual. Portanto, a tecnologia pIOM permite que os cirurgiões mantenham a qualidade de vida de muitos pacientes criticamente enfermos.

Alta Tecnologia para a monitorização dos nervos

A neuromonitorização pélvica é realizada em aplicações habilmente configuradas , que têm demonstrado o seu valor em cirurgia neurológica e geral durante décadas.

O pIOM foi especialmente concebido com a finalidade de neuromonitorização pélvica para corresponder a todas as necessidades cirúrgicas de forma ideal.

Exibição simultânea de pressão da bexiga e sinais EMG dos músculos do esfíncter anal permite que o cirurgião confie plenamente na neuromonitorização pélvica e mantenha a sua atenção na área do alvo.

Outros departamentos, como proctologia, ginecologia ou urologia podem se beneficiar de neuromonitorização pélvica também.